Esta noite preciso de outro verão 
sobre a boca
crescendo nem que seja de rastos.




Eugênio de Andrade,
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!