Côncavas de ter

Longas de desejo

Frescas de abandono 

Consumidas de espanto

Inquietas de tocar e não prender. 




Sophia de Mello Breyner Andresen,
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!