Postagens

Mostrando postagens de 2017
Imagem
sobre o teu corpo caio 

daquele modo que o verão tem de espalhar os cabelos

na água esparsa dos dias 

e faz das peônias uma chuva de ouro

ou a mais incestuosa das carícias. 





Eugénio de Andrade
Imagem
“procura-me por todos os lados, 
procura-me às escuras por todos os lados, 
estarei algures, fremindo, 
criando bichos entre os braços e as pernas, 
aguardando que me salves. 
só assim te amarei, 
se souberes descortinar o caminho para o lugar onde 
me escondo, com medo, com fantasmas, 
feito para ser amado apenas por quem, 
avistando-me no fundo do poço,
 me puder querer sem garantia de outra condição”





Valter Hugo Mãe
Imagem
não temos nome somos apenas  objetos que respiram
quando o tempo não se gasta com a respiração envelhece com os instantes guardados no fundo das gavetas
enumeramos solidões onde o corpo se torna lento e a pouco e pouco atravessamos outonos sem precisar de mapas



maria sousa
Imagem
Ah, e dizer que isto vai acabar, que por si mesmo não pode durar. 
Não, ela não está se referindo ao fogo, refere-se ao que sente. 
O que sente nunca dura, o que sente sempre acaba, e pode nunca mais voltar. 
Encarniça-se então sobre o momento, come-lhe o fogo, e o fogo doce arde, arde, flameja. 
Então, ela que sabe que tudo vai acabar, pega a mão livre do homem, e ao prendê-la nas suas, ela doce arde, arde, flameja.



Clarice Lispector
Imagem
Depois alguém morreu; a estada tornou-se penosa, o verão parecia não ter fim.

Era tempo de fazer malas e projetos, de trocar pautas por desacertos, como, no último trimestre do liceu, quem se apaixona e arrepende da solidão que perdeu.

Assim chegou o outono ─ depois alguém morreu.



José Alberto Oliveira
Imagem
Estou no meu quarto. Deitada na minha cama. A luz está acesa. Ouço música. 
Penso em ti mas não é em ti. É um tu abstrato 
porque a tua ausência é uma lesão incurável que se imaterializa com o tempo. 
Por fim adormeço. 





Ana Hatherly
Imagem
o meu relógio de amar parou em cima da mesa


Mário Cesariny
Imagem
é preciso, às vezes, não acordar o silêncio.



Albano Martins
Imagem
estava tudo depurado de vida,

isento, 

vazio de sinais, 
e depois disse para comigo: 

vou começar a escrever

para me curar da mentira de um amor que acaba. 




Marguerite Duras
Imagem
Promete ser pra sempre o meu menino Me deixar cantar pra te fazer dormir Que eu prometo que vou te cuidar pra sempre Eu te amo infinito Meu guri





Promete
Ana Vilela
Imagem
deixaste-me sobre a pele um rasgão que já não dói.
 mas quando a memória da noite consegue trazer-te intacto, fecho os olhos, o corpo e a alma 
latejam de dor.


Al Berto
Imagem
diz-me um segredo
mantém-me acordada
enquanto esta noite não chega ao fim



Dulce Maria Cardoso
Imagem
"
(...)
Meias verdades E muita insensatez
"


Flora Figueiredo
Imagem
não te aguardo. 
adio-me.



valter hugo mãe
Imagem
"Ingênuo era eu, que recebia marteladas e procurava melodia nas batidas".



Sean Wilhelm
Imagem
quanto anos se esgotaram na espera?
será que não explode um corpo?

Al Berto
Imagem
Por mim, é por isso que oculto as mãos.  Tenho-as todas queimadas




Herberto Helder
Imagem
"Promete que nunca me guardarás numa gaveta. 
Quer tenha ou não chave..."



Pedro Paixão
Imagem
Ando muito completo de vazios.

Meu órgão de morrer me predomia.

Estou sem eternidades.



Manoel de Barros
Imagem
Porque te dá um medo filho da puta: ser feliz, medo de amar, medo de ser bomTudo que faz bem pra gente, a gente tem medo.

Cazuza.
Imagem
Quase ninguém repara em ninguém. 

Em parte porque o espaço que nos circunda está cheio de chamadas, de perigos e de júbilos;

O ser humano, longe do que se pensa, é o que menos se nota no mundo.




Agustina Bessa-Luís
Imagem
O seu drama não era o drama do peso,  mas o da leveza.
O que se abatera sobre ela não era um fardo, mas a insustentável leveza do ser.



Milan Kunder
Imagem
"Você tem que parar para mudar a direção."


Erich Fromm

PRECISA-SE

Imagem
nesta noite tu estás como anúncio
PRECISA-SE
na página gasta da minha pele


Vasco Gato
Imagem
Côncavas de ter
Longas de desejo
Frescas de abandono 
Consumidas de espanto
Inquietas de tocar e não prender. 



Sophia de Mello Breyner Andresen,
Imagem
Amar-te é construir uma casa numa falésia e ainda assim sentir-me segura. 
Mas somos felizes.  Somos estupidamente felizes nessa beira de precipício.  Somos tão felizes com os nossos gatos, com o nosso sofá.  Temos dois gatos e um sofá e nada nos falta. 
Deem dois gatos e um sofá a quem se ama e estarão a dar-lhes o mundo.




Pedro Chagas Freitas
Imagem
As meninas armadas são as mais belas,
têm no coldre uma arma
lotada de munições, 
pronta a ser sacada em inúmeras situações. 
As meninas armadas não fazem rimas 
Dão tiros nos poemas
e mandam autopsiar o corpo para reaverem as balas 




Cláudia Lucas Chéu
Imagem
os dias sem ninguém
pequeníssimos recados escritos à pressa
a machucados nos dedos






Al Berto,
Imagem
Vou deitar-me outra vez no meu lugar e deixar o teu à tua espera. 

Vem de noite sem eu dar conta e acordar contigo ainda no teu sono

e tocar-te e seres tu. 




Vergílio Ferreira
Imagem
Esta noite preciso de outro verão  sobre a boca crescendo nem que seja de rastos.



Eugênio de Andrade,
Imagem
uma ferida
 PODE 
ser usada como arma 



Heiner Müller
Imagem
Faz de conta que ainda somos Quem nos escreveu!



O Teatro Mágico
Imagem
Os homens são uma parte pequena do mundo, e eu não compreendo os homens.
 Sei o que fazem e as razões imediatas do que fazem, mas saber isso é saber o que está à vista, é não saber nada. 
Penso: talvez os homens existam e sejam, e talvez para isso não haja qualquer explicação; talvez os homens sejam pedaços de caos sobre a desordem que encerram, e talvez seja isso que os explique.




José Luís Peixoto
Imagem
Tu, que não conheço ainda, ou imagino que não conheço, ajuda-me a ficar
Ocupo pouco espaço, quase não faço barulho, nunca grito, não incomodo ninguém. 
Leva-me contigo e ajuda-me a ficar.
Tenho a ternura simples mas aos nós. 
Como as tuas unhas são mais compridas do que as minhas desata-me isto tudo. 
Mãos impregnadas de nuvens, ossos suaves como o leite,vagarosos, certeiros.
 É bom nascer no instante em que o ar é mais frio do que a água.
Trouxe-o aqui no bolso para ti. 
Há-de haver, nalgum sítio, a minha última casa.




António Lobo Antunes
Imagem
procurar o lugar que se esquiva, habituar-me à contínua fuga do mundo,
permitir em mim o sítio onde a palavra se apagou, repousar nele como quem encontra a serenidade na desolação,
perder, perder cada vez mais até ao indizível, não falar, não escrever, para enfim recomeçar:
a estrada é a espera de um nome.



Rui Nunes
Imagem
E por fim chega uma altura em que uma pessoa pergunta: "que raio fiz eu?"(…)
Grande parte da vida é tão chata que nem merece discussão, e é chata em todas as idades. 
Quando mudamos de marca de cigarro, nos mudamos para um novo bairro, assinamos um novo jornal, nos apaixonamos e desapaixonamos, estamos a protestar, de modos ao mesmo tempo frívolos e profundos, contra a maçada que nunca se dissolve da vida de todos os dias. 
Infelizmente, um espelho é tão traiçoeiro quanto outro, e a dado momento reflete em cada aventura o mesmo rosto insatisfeito, então quando ela pergunta que raio fiz eu?, na verdade quer dizer o que é que eu estou a fazer?, que é o que habitualmente se diz.



Truman Capote
Imagem
- Por que é que julgas que eu nunca choro? 
- Tu não morres o suficiente para poder chorar. 


Jack Kerouac
Imagem
E agora eu sou os meus sapatos. 
Tenho um par de sapatos dentro de mim. 
Um dois, dois um... sapatos dentro de mim.
Era uma vez eu dentro de uns sapatos, fora e dentro de mim.
Era uma vez duas de mim – uma sentindo este ruído na pele como peixe monstruoso, a outra, sentada, observando os sapatos,usurpando aconchego à cadeira. 
Distraem, prudentes, os sapatos,dançam em meus pés de sabão, evadindo-se de um funeral descalço; brincam, perversos, em voo contrário à amputação; movem-se sedutores, como gatos invisíveis, furtando-me a audição.
Oiço-me no vulto das frases, surda do outro.
Era uma vez eu dentro de mim. 
Era uma vez os meus sapatos.


Ana Marques Gastão
Imagem
Quero que se foda o sublime. 

A minuciosa construção do absoluto literário.  Assim sem emendas e em rigoroso vernáculo, parece-me mais exato. 

Quero que se foda o sublime (desculpem-me a repetição). 

Prefiro portas fechadas, casas destruídas, chaves de pouco ou nenhum uso para gestos de pouca ou nenhuma glória que são o absoluto onde me posso sentar para beber mais um copo deste vinho que te pinta os lábios e te acende nos olhos esse fulgor de luz, esse pulsar de salto, onde me lanço para voltar ou não voltar, mas ter cumprido do sangue o impulso.

 Quero que se foda o sublime. 

Estou a falar contigo, a viver contigo, a morrer contigo.  Estou a dizer-te ama comigo, sofre comigo, morre comigo um pouco mais devagar.




Jorge Roque
Imagem
E tem a noite nos olhos, a jovem morena,  e a noite às costas, como uma capa.

Ele corta com violência as cordas, primeiro a dos pés, depois a das mãos quentes com um impaciente sangue. E para terminar solta-lhe o peito.  Sente bater nos dedos o primeiro sopro, como uma onda na margem.


E treme.




Rainer Maria Rilke
Imagem
Deixas rasto no meu peito durante horas.  Dou com cabelos teus colados, dias depois, à roupa do meu sorriso. Encontro nos vincos mais longínquos dos meus dedos o cheiro parado do teu olhar tão móvel.  Procuro-te nas esquinas dos instantes que passam.  Reconheço-te no vinco que a ternura deixa na carne do peito, do meu olhar, aquele que deito para longe, para outra esquina, de onde recebo mensagens de outro olhar igualmente teu, igualmente meu, reflectido na montra de uma loja do nosso sono.  Deslizo.  Deito-me sobre as lembranças.  (...)  E procuro-te sempre, na ausência da carne que os dias me traçam na pele.  E depois na presença eu ... presença tu...




Mia Couto
Imagem
Havia, enquanto recordava,  uma pequena ferida na sua voz: 
em nenhum lugar achara ainda o nome da sua casa.



Maria do Rosário Pedreira

estes são os nomes das coisas que deixaste

Imagem
lê, estes são os nomes das coisas que deixaste 
– eu, livros, o teu perfume espalhado pelo quarto; sonhos pela metade e dor em dobro, beijos por todo o corpo 
como cortes profundos que nunca vão sarar;



Maria do Rosario Pedreira