sábado, 30 de junho de 2012

Anoiteceu!


Debruça-te para o interior do meu vazio. Nenhum rosto, nenhum pensamento, nenhum gesto inútil. Nenhum desejo - porque o desejo precisa de um rosto. E no lugar daquele que partiu acende-se a noite.


Al Berto

Dei-me inteiro.
 Os outros fazem o mundo (ou crêem que fazem). 
Eu sento-me na cancela, sem nada
de meu e tenho um sorriso
triste e uma gota de ternura branda no olhar.
Dei-me inteiro. Sobram-me
coração, vísceras e um corpo.
Com isso vou vivendo.



Gil T. Sousa

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Todo o anjo é terrível


"Se eu gritar, quem poderá ouvir-me, nas hierarquias dos Anjos? E, se até algum Anjo de súbito me levasse para junto do seu coração: eu sucumbiria perante a sua natureza mais potente. Pois o belo apenas é o começo do terrível, que só a custo podemos suportar, 
e se tanto o admiramos é porque ele, impassível, desdenha destruir-nos.
Todo o anjo é terrível..."



Rainer Maria Rilke

Em mim há uma infinidade de recortes, mas não sou arte que deve ser apreciada com pressa. Sou feita de detalhes antigos que carecem de contextualizações. Quem quiser que venha, mas antes se informe. Sou igual aos museus. Tenho horário para fechar.


Pe. Fábio de Melo

sem falar que estava permanentemente ocupada em querer e não querer ser o que eu era, não me decidia por qual de mim, toda eu é que não podia; ter nascido era cheio de erros a corrigir.




Clarice Lispector

quinta-feira, 28 de junho de 2012


...Porque a voz dele me toca feito as mãos
e as mãos dele me envolvem feito fábulas.
E as duas, quando passeiam em mim
desabotoam minhas mais
mal-comportadas
palavras...



Marla de Queiroz

É um silêncio sem ti,



E de súbito desaba o silêncio.


É um silêncio sem ti,

Sem álamos,

Sem luas.

nas minhas mãos

Ouço a música das tuas.


Eugênio de Andrade

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Todos os amantes querem os olhos nos olhos para existir completos, completamente, e provar Deus no beijo, perdido novelo de mim e de ti, sem saber que língua é de quem quando o céu se abre, devagar, devagar, doce docemente, assim se abrem os lábios lambidos de uma ternura toda, obscena e pura, à procura, novelo, sem saber o que é de quem, até que a fúria passe estreita, corrente lenta, entre os dedos, i felt the earth move through my hands like the trembling heart of a captive bird. Pedro e Inês, Cash e Carter, London e Troup, dormem juntos de não serem até que a morte os separe, porque se em vida uma só carne, sempre uma só. É muito fácil o amor assim. É o mais fácil amor, só sede de e só água em. É por isso que o mar de mim se abre num sulco claro e bem navegado, ainda que tema, e eu temo, mesmo uma pequenina sombra, se inesperada, me assusta, temerária não sou, vou adiante na mesma. Tremo. Adiante. A minha fé nasce da minha carne: se não for tudo, não quero nada. Quando morrer quero que me deitem ao lado do meu amor.



Eugénia de Vasconcellos

Como se fossemos restos de histórias
num ensaio geral de solidões.
O tempo é um argumento
que nos fecha a porta.


Maria Sousa

terça-feira, 26 de junho de 2012



Eu estou sempre em débito com os meus fantasmas e os meus demônios.
São os mais exigentes que conheço.



 João Antônio

domingo, 24 de junho de 2012


Almejo mergulhar
na solidão e no silêncio,
para encontrar-me
e despojar-me de mim,
até que a Eterna Presença
seja a minha plenitude 



Helena Kolody

A beleza explode ao meu redor, 
Um milagre novo por segundo,

Facas e maçãs, luzes sobre nós 
E os detalhes que revelam o mundo.



Leoni

"Uma alegria que era o avesso daquela que tinham me treinado para sentir."



Caio Fernando de Abreu

sábado, 23 de junho de 2012

Estou escondido algures no meio do meu corpo...



Às vezes escondo-me no corpo e ninguém me vê.
As pessoas falam comigo e não notam que eu não falo com elas.
Posso até dizer algumas palavras, posso até exprimir-me num longo discurso, mas a verdade é que não falo com elas.
Estou escondido algures no meio do meu corpo.
Enfio-me todo no esófago ou no centro da artéria aorta ou na veia jugulare, por vezes, quando estou mais tímido, chego mesmo a esconder-me nos músculos da planta do pé.
Apesar de não saber os nomes destes músculos escondo-me lá muitas vezes.
Aliás, é melhor fugirmos para sítios de que desconhecemos o nome: ficamos ainda melhor escondidos.
É a minha opinião.


A minha personalidade a refugiar-se inteira no dedo mínimo do pé esquerdo, vejam bem.
Por vezes acontece-me.
O meu EU alojado no dedo mínimo do pé esquerdo.
Os mais importantes pensamentos concentrados no dedo mínimo do pé esquerdo.
As minhas sensações mais íntimas escondidas no dedo mínimo do pé esquerdo.



Gonçalo M. Tavares

Eu já me vejo descalço, lavando o escuro da alma.


 Leoni



Há tantos anos me perdi de vista que hesito em procurar me encontrar. Estou com medo de começar. Existir me dá às vezes tal taquicardia. Eu tenho tanto medo de ser eu. Sou tão perigoso. Me deram um nome e me alienaram de mim.


Clarice Lispector

Quando acordei, pelo apartamento não havia outro vestígio dele além dos filtros brancos dos cigarros que fumava, no cinzeiro cheio. Eu não sabia se voltaria a encontrá-lo, eu não sabia se queria que voltasse. Eu estava aterrorizada pela ideia de gostar de outro homem.

Ele voltou, dias depois.

Quando Pedro voltou, estava anoitecendo. E foi como se todas as luzes da casa acendessem ao mesmo tempo. E nós jantamos juntos, fomos ao cinema, ao teatro, ouvimos música, sentamos nos bares, acendemos os cigarros e enchemos os copos um do outro. Durante semanas fizemos todas essas coisas que as pessoas fazem quando querem ficar juntas, vivendo uma a vida da outra.


Caio Fernando Abreu

minha ousadia

meu galope

minha rédea

meu potro doido

minha chama

minha réstia

de luz intensa

de voz aberta

minha denúncia do que pensa

do que sente a gente certa.

em ti respiro

em ti eu provo

por ti consigo

esta força que de novo

em ti persigo

em ti percorro

cavalo à solta

pela margem do teu corpo.



Ary dos Santos

quinta-feira, 21 de junho de 2012


Estou no meu quarto. Deitada na minha cama. A luz está acesa. Ouço música. Penso em ti mas não é em ti. É um tu abstrato porque a tua ausência é uma lesão incurável que se imaterializa com o tempo. Por fim adormeço. Quando acordo de manhã sinto-me feliz por ter conseguido dormir.




Ana Hatherly

terça-feira, 19 de junho de 2012

domingo, 17 de junho de 2012

leva-me!


na outra margem da noite
o amor é possível

leva-me!

leva-me entre as doces substâncias
que morrem cada dia na tua memória


Alejandra Pizarnik

Desejo é coisa de alma na superfície da pele

e coisa de pele na surperfície da alma .

É vontade a sair pelos poros ,

é sonho,

é paixão na medida exata.

É paixão inteira,

na medida maior da entrega.


Erikah Azzevedo

**Mas essa noite... Não fez luar...


"quando me sinto feliz



afogo-me em bebedeiras de luares


e acordo com os olhos úmidos de ternura"


António Paiva

**E a umidade dos meus olhos, são lágrimas de saudades...

sábado, 16 de junho de 2012

doeu-me!

...porque andei sempre sobre meus pés

e DOEU-ME às vezes viver...

Mia Couto

sexta-feira, 15 de junho de 2012


fecharia os olhos sob os anéis dos astros e entre os violinos e os fortes poços da noite, descobriria a ardente ideia da minha vida.




Herberto Helder

**Amigos: saudades infinitas daqui... Continuo sem internet, e no final do semestre, o tempo está escasso. 

***OBRIGADA pelo carinho, bjkas

domingo, 10 de junho de 2012


O que quer que fosse - o liso
algodão dos lábios, a almofada
volúvel do sorriso,
Lâmpadas
ardendo sob
as devolutas pálpebras.


Albano Martins

Envelheces tanto de cada vez que o dia termina


e olhas para trás. Tens medo do começo do fim,


das tardes de domingo; um dia, distraído, tens medo


do sexo, da amabilidade e da noite, e dos rostos


que foram belos e não são mais


quando o mundo contraria as pequenas coisas,


sentes esse cansaço, nada a fazer.


Francisco José Viegas

Em vez de juízo final a mim me preocupa o sonho final.


João Cabral de Melo Neto

A falta que ocupas com o teu silêncio não é doce como seria as saudades e a esperança na espera. Antes está cheia de gestos e gritos no ar, sem que lhes oponha qualquer resistência, e assim, sem ordem nem alvo. A tua falta leva á desordem, ao caos. Só se mantém com sentido a certeza de que tudo é por tua culpa, da tua ausência malvada. Deixaste-me o mundo inteiro em testamento. Nem saberia por onde começar.



Pedro Paixão

sábado, 9 de junho de 2012

Onde há quem tenha pele...


Onde há quem tenha a pele...
...tenho a memória, sepultura
nenhuma atingirá profundidade igual à desta
nudez com quem a pele sempre tem sido hospitaleira. 


Luís Miguel Nava
Pegamos o telefone que o menino fez com duas caixas de papelão e pedimos uma ligação com a infância.



Millôr Fernandes

Os outros me vêem como sou, ou sou como me vêem os outros? O difícil não é saber como me vêem os outros. Posso lê-lo nos seus olhares. O difícil é descobrir quem sou eu.


Flusser

quinta-feira, 7 de junho de 2012


Pedras, o que me espanta
Não é que tenhais resistido

Por tanto tempo a tanto vento e a neve tanta:

Pois não vos tinham construído
Para arrostar nesta colina

O inverno e o vento desabrido?

Meu espanto é que suportais,
Sem vos gastardes, nossos olhos,
Nossos olhos mortais.





Archibald Mcleish


*Frio demais: sensação de -9 graus hoje! 
Mas na alma: é verão! Agradecida pelas bençãos que tem acontecido... 
**Obrigada pelo carinho de Vocês... Ainda estou arrumando a net. Bjkas

quarta-feira, 6 de junho de 2012


(...) O tempo nunca mais se transformou

Não rodou mais para a festa não irrompeu

Em labareda ou nuvem no coração de ninguém.

A mudança fez-se vazio repetido

E o avir a mesma afirmação da falta.

Depois o tempo nunca mais se abeirou da promessa

Nem se cumpriu

E a espera é não acontecer – fosse abertura –
E a saudade é tudo ser igual.



Daniel Faria

terça-feira, 5 de junho de 2012

O que levo comigo? Uma criança que NUNCA viu o mar...

PassO, AmO e ArdO.

Água? Brisa, Luz?

Não sei.

E tenho pressa.

Levo comigo uma criança

que nunca viu o mar.



Eugênio de Andrade

e por dentro do amor, até somente ser possível amar tudo, e ser possível tudo ser reencontrado por dentro do amor,


Herberto Helder

domingo, 3 de junho de 2012


Não serve de nada correr,
É preciso partir 
No momento próprio.


Jean de La Fontaine

Lembra o tempo que você sentia, e sentir era a forma mais sábia de saber, e você nem sabia?



Alice Ruiz

Talvez eu não tenha outro sonho senão tu, talvez seja nos teus olhos, encostando a minha face à tua, que eu lerei essas paisagens impossíveis, esses tédios falsos, esses sentimentos que habitam a sombra dos meus cansaços e as grutas dos meus desassossegos.




Fernando Pessoa

sábado, 2 de junho de 2012


Minha relação com a senhora dona Vida, de muitos anos para cá, tem sido frontal, direta e solitária.




Caio Fernando de Abreu

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...