terça-feira, 30 de agosto de 2011


Para cá e para lá
sempre se inclina ao vento o ramo em flor,
Para cima e para baixo
sempre meu coração vai feito uma criança
Entre claros e nebulosos dias,
entre ambições e renúncias.
Até que as flores se espalham
e o ramo se enche de frutos,
Até que o coração farto de infância
alcança a paz
e confessa: de muito agrado e não perdida
foi a inquieta jogada da vida.



Hermann Hesse



*Desculpem: mas essa semana está anormal quanto ao tempo... logo visitarei Vcs... Obrigada pela presença. Bjkas

...guardo o retrato seu, e a saudade mais bonita...



Em todos os meus sentidos, 

                Tive presságios de adeus...





Pedro Homem de Mello

Ontem à noite
sonhei de corpo inteiro acordei com teu cheiro...






Alonso Alvarez

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Divino!


Quando voltar do trabalho, olhe para cima e repare: no meio dos prédios altos, frios e cinzentos, todos os postes de luz, com seus fios, adormecem de mãos dadas.





Rita Apoena


"Se eu tivesse tomado um atalho, uma rua estreita qualquer, que tipo de pessoa eu teria me tornado? Não sei. Mas gostaria muito de saber. Pelo retrovisor, vejo todas as pessoas que eu poderia ter sido e não fui.






O Teatro Mágico

domingo, 28 de agosto de 2011

...um silêncio eterno e mudo como o tempo...



Sei que não se parece em nada com uma carta porque não pretendo dar-te notícias ou dizer o que a vida me tem trazido: apenas quero mostrar-te que, por mais vidas que tenhas, o teu corpo não será nunca capaz de medir todo o amor que se me transpira pela parte de trás do meu silêncio.


Sérgio Xarepe

Eu caminhava entre árvores
E espremia nos dedos



O mudo cipreste, roçando
um acridoce olfato

Ao silêncio de meu nariz.
Ali entre cúmplices imagens,


Onde o vento me sabe
E o sem- fundo do lago me diz,

No frescor do mais contido sumo,
Cheirei a poesia, assim do nada,


E caminhei sobre as águas,
O naufrágio por um triz.


Fernando Campanella


Sua presença me faz rir nos dias feitos pra chover.


Chico César

Seus dentes e seus sorrisos mastigam meu corpo e juízo.



 Leoni 


Essa ferida, meu bem, às vezes não sara nunca, às vezes sara amanhã.


Carlos D. de Andrade.

Na vocação para a vida está incluído o amor, inútil disfarçar, amamos a vida. E lutamos por ela dentro e fora de nós mesmos. Principalmente fora, que é preciso um peito de ferro para enfrentar essa luta na qual entra não só o fervor mas uma dose de cólera, fervor e cólera. Não cortaremos os pulsos, ao contrário, costuraremos com linha dupla todas as feridas abertas.




 Lygia Fagundes Telles

(…) Vou beijando a memória desses beijos.





Carlos D. de Andrade

sábado, 27 de agosto de 2011

Eu quero o seu cheiro e um beijo morno na hora em que eu abro os olhos, morro de tédio e tristeza quando você vai pro trabalho e eu fico em casa deitado, solidão de 'Nosferatu'. Vem se esquenta em mim, vem se encosta em mim. Nenhum outro lugar pode ser melhor que aqui pra te proteger, pra te ameaçar. Nenhum outro lugar, pode ser melhor que aqui…






Leoni

sexta-feira, 26 de agosto de 2011


Dentro dos seus grandes olhos, lagos
Dentro dos seus grandes lábios, logo
Dentro do seu grande peito, fogo
Dentro de sua grande alma, anjo
Dentro de seu corpo, gente
Dentro de mim...

 

 Chico César


Quando voltar do trabalho, olhe para cima e repare: no meio dos prédios altos, frios e cinzentos, todos os postes de luz, com seus fios, adormecem de mãos dadas.


— Rita Apoena

Ela fazia muitos planos. Eu só queria estar ali.






Legião Urbana


Quem pagará o enterro e as flores
Se eu morrer de amores?




Vinícius de Moraes

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

...feito coisa feita...


É tão difícil entender o quanto eu gosto de você? Pois eu repito: “Mas eu gostava dele, dia mais dia, mais gostava". Digo o senhor: como um feitiço? Isso. Feito coisa-feita. Era ele estar perto de mim, e nada me faltava. Era ele fechar a cara e estar tristonho, e eu perdia meu sossego.




Guimarães Rosa

Vem e me nina, continuo tão meninaToma meu pranto, me arruma um canto, pode ser no meio do teu encanto. Que encanta. Vem e me canta, pode até cantar mansinho, sussurrar carinho. Só preciso ficar segura, sou pequena e não é só de altura.


Paula Andrade.

Nós morremos esperando.


Charles Bukowski


Podemos ser como bonecas de corda
e olhar para o mundo com olhos de vidro
e jazer durante anos entre rendas e lantejoulas
o corpo recheado de palha
dentro de uma caixa de feltro,
e a cada toque de luxúria
gritar sem nenhuma razão
Ah, que feliz sou !



Forugh Farrokhzad

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

A única coisa que fiz até hoje foi fugir, de mim mesmo, do meu nada, e agora não tenho mais para onde ir, nem sei o que vou fazer.


Charles Bukowski

"Aqui estão os loucos. Os desajustados. Os rebeldes. Os criadores de caso. Os pinos redondos nos buracos quadrados. Aqueles que vêem as coisas de forma diferente. Eles não curtem regras. E não respeitam o status quo. Você pode citá-los, discordar deles, glorificá-los ou caluniá-los. Mas a única coisa que você não pode fazer é ignorá-los. Porque eles mudam as coisas. Empurram a raça humana para a frente. E, enquanto alguns os vêem como loucos, nós os vemos como geniais. Porque as pessoas loucas o bastante para acreditar que podem mudar o mundo, são as que o mudam." 





Jack Kerouac

Esqueceram-se das folhas
Tão grande era a pressa
De florirem

Jorge de Sousa Braga


Desde aquele dia
                  não movi as peças
                                       no tabuleiro.





Jorge Luis Borges,


O que magoa mais na solidão?:
A ausência (do outro)
Ou a (nossa) presença?




Pedro Jordão

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Mas se você não me quisesse de verdade, já teria me falado alguma coisa. Mas como a gente mal troca uns resmungos e cumprimentos formais, a hipótese fica aberta.❞
Gabito Nunes

Um esperava, o outro desesperava. Ambos haviam escolhido a sua sorte e haviam sido justamente condenados a suportá-la.


O Morro dos Ventos Uivantes

...larga as laranjas e muda de vida...



"Guarda as laranjas num cesto, leva-as para casa e faz um bolo de saudades para esquecer a mágoa. E nunca deixes de sonhar que, um dia, tal como eu, vais encontrar alguém mais próximo e mais generoso, que te ensine a ser feliz, mesmo com todas as pedras que encontrarem no caminho. Larga as laranjas e muda de vida. A vida vai mudar contigo."




Margarida Rebelo Pinto


O meu coração tem muitos quartos despidos de tão vazios nada lá cabe. Durmo todas as noites num quarto diferente procurando-te ou fugindo-te não decidi ainda. Um dia escondi-me atrás dos batimentos no teu peito e pensando-me ausente partiste. Agora divido-me por essas noites e pelos dias nos quartos cheios de velharias.
Aposto que estás algures nos corredores.




Pedro Jordão


“Se não brilha mais, não insista.

Lâmpada queimada não se arruma,

Se troca por outra.” 





Caio Fernando Abreu

segunda-feira, 22 de agosto de 2011


Só uma coisa a favor de mim eu posso dizer: nunca feri de propósito. E também me dói quando percebo que feri. Mas tantos defeitos tenho. Sou inquieta, ciumenta, áspera, desesperançosa. Embora amor dentro de mim não falte.



Clarice Lispector

Que a gente, na vida, foi feito pra voar



Marcelo Camelo

domingo, 21 de agosto de 2011


"Meus sábados inteiros são feitos de duras lascas que vou arrancando com movimentos desajeitados pelas salas e escadas desta casa vazia, à espera de que um daqueles ruídos antigos e inúteis como o portão batendo ou os passos deles no cimento ou a campainha tocando me puxe do centro desse agosto que não acaba.



Caio Fernando Abreu

Traz um litro de uísque e um amor de verão. Traz um pouco de sorvete e uma lua cheia. Traz um cartão postal e um beijo de sol. Traz toda sua paz.


 Caio Augusto Leite


Eu-alguém travestida de luto.
(E um olhar de púrpura e desgosto, 
vendo através de mim navios e dorsos). 


Dorsos de luz de águas mais profundas. Peixes.
Mas sobre mim, intensas, ilhargas juvenis 
Machucadas... 




Hilda Hilst





sábado, 20 de agosto de 2011

...miudezas...




Percorro todas as tardes um quarteirão de paredes nuas.
Nuas e sujas de idade e ventos.
Vejo muitos rascunhos de pernas de grilos pregados nas pedras. 
As pedras, entretanto, são mais favoráveis a pernas de moscas do que de grilos. 
Pequenos caracóis deixaram suas casas pregadas nestas pedras.
E as lesmas saíram por aí à procura de outras paredes. 
Asas misgalhadinhas de borboletas tingem de azul estas pedras. 
Uma espécie de gosto por tais miudezas me paralisa. 
Caminho todas as tardes por estes quarteirões desertos, é certo. 
Mas nunca tenho certeza se estou percorrendo o quarteirão deserto.
Ou algum deserto em mim.






Manoel de Barros 

Percorro todas as tardes um quarteirão de paredes nuas.
Nuas e sujas de idade e ventos.
Vejo muitos rascunhos de pernas de grilos pregados nas pedras.
As pedras, entretanto, são mais favoráveis a pernas de moscas do que de grilos.
Pequenos caracóis deixaram suas casas pregadas nestas pedras
E as lesmas saíram por aí à procura de outras
paredes.
Asas misgalhadinhas de borboletas tingem de azul estas pedras.
Uma espécie de gosto por tais miudezas me paralisa.
Caminho todas as tardes por estes quarteirões
desertos, é certo.
Mas nunca tenho certeza se estou percorrendo o quarteirão deserto
Ou algum deserto em mim.


Manoel de Barros 

sei que nunca viste o oceano,
que nunca olhaste a onda sobre a onda,
que nunca fizeste castelos para o mar ser forte,


mas sei que já viste o coração das coisas,
que já tocaste a ferida nos nossos braços,
que já escreveste para sempre o nome da terra.



por isso te digo que vou levar-te:
 o mar
na concha das minhas mãos, azulíssimo,
para que nele descubras o meu nome
entre os seixos os búzios os rostos que já tive.



Vasco Gato

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

O silêncio...



Quando a ternura
parece já do seu ofício fatigada,e o sono, 
a mais incerta barca, inda demora,
quando azuis irrompem
os teus olhos 
e procuram nos meus navegação segura, 
é que eu te falo das palavras
desamparadas e desertas, 

pelo silêncio fascinadas.



Eugênio de Andrade


Repudio a chuva fina:
Mesquinha, indesisa, à toa.
Ou tempestade me assina
Ou me rasgo, se garoa



Edival Perrini

De apelo a apelo, vamos caindo e levantando ao longo da estrada, apurando o coração para fazer valer, na prática, o nosso respeito à oportunidade inestimável de estarmos aqui. A nossa intenção de não desperdiçar esse ouro que é o tempo, essa maravilha que é o corpo, essa graça que é a vida. Essa que, se olharmos com olhos lúcidos, de preferência também lúdicos, sempre inventa maneiras para se vestir de convite irrecusável de novo.




Ana Jácomo




quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Como é difícil..




É tão difícil guardar um rio
quando ele corre
dentro de nós.




Jorge Sousa Braga

Alguém procura onde eu estou só, e encontra
o campo desbaratado
e branco da sua solidão.


Herberto Helder

Cada ferida tem
a forma de tua boca.


Pablo Neruda 



quarta-feira, 17 de agosto de 2011


A ferida por baixo da cicatriz - quem cura?



Vasco Gato



...



A carícia hesita entre os olhos e a mão



Eugênio de Andrade





Acabei hoje o sabonete cujo uso iniciaste quando 
o teu último banho cá em casa. Ficaram coisas que
te pertencem e que não sei se deva guardar,
a saber: um candeeiro, um desenho, uma fotografia.



Outras coisas ficaram: alguns discos e já não sei que livro.
Não ferem tanto. Há ainda a memória da pele, o amarelo dos olhos e algumas expressões do teu português falado.



Mas estas últimas coisas já se confundem com o
espírito da casa, quero dizer-te com a poeira da casa.



João Miguel Fernandes Jorge 

terça-feira, 16 de agosto de 2011


Vem, faz rir esse triste olhar


Gram

Em que ouvido ficou sua voz? Em que olhar ficou sua imagem? Em que mar ficou nosso lado a lado? Em que coração ficou suas doces palavras de amor eterno?


Caio Augusto Leite


Estar entre vírgulas, pode ser aposto, mas eu aposto o oposto...

Que vou cativar a todos, sendo apenas um sujeito simples!


O Teatro Mágico

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...