terça-feira, 15 de março de 2011


Tudo tão perecível, tudo tão frágil, tão efémero e,
no entanto, tudo tão perto do eterno.
Juntamo-nos as mãos como quem busca,
no ato de as juntar, a certeza das coisas
com que nunca poderá contar.
E é tão simples o gesto que esquecemos o resto.


Torquato da Luz


Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...