terça-feira, 15 de março de 2011


Sou boba tantas vezes. Parei tanto tempo presa em você. Ficava extasiada, alucinada em te observar ganhando o mundo sem sair da cama.

 
Acreditei até no amor, na paixão e nas outras coisas que dispensam uma lista de razões. E me bastava te ver, bastava você rir, e pegar minha mão às vezes. Eu me apaixonava na mesma medida que me iludia.


Ilusão. Não que ilusão seja ruim. É preciso de vez em quando, muito de vez em quando.

Precisamos nos auto-iludir. Senão houvesse essa possibilidade de ilusão, talvez eu e você não tivessemoa acontecido.


E acontecer pode ser bom.


Vale que aconteça. Vale o olhar que paralisa enquanto o mundo gira para nos despertar.



Cáh Morandi
Postar um comentário

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...

‘Cubra-nos com Teu Manto, oh Mãe’...  Quantas frases mal pronunciadas, sussurradas, cheias de uma pressa, de apelo e de fé elevei ...