Sempre que partes, morro um pouco, por não saber se retornas.
Minhas mãos doem de tanto abrir-se, para que vás tranqüilo.
Só assim hás de querer estar comigo, sem que eu insista...
Fingir que te deixo livre, é um jeito egoísta de amar..."



Lya Luft
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo é vário. Temporário. Efêmero. Nunca somos, sempre estamos!